Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Escravos e Senhores de Escravos - Décio Freitas



Escravos e Senhores de Escravos - Décio Freitas

Os pequenos estudos que compõem este livro foram escritos em Montevidéu no curso do ano de 1965, para servirem como textos de apoio num curso sobre a escravatura, ministrado pelo autor nos meses de janeiro, fevereiro e março de 1966 a um grupo de exilados brasileiros.

Não se censure o estilo veemente em que foram escritos. Pode-se afinal contemplar com serenidade o processo histórico da escravidão no Brasil? Não há decerto mal nisso: o importante é que haja uma base histórica, e disso o autor está seguro, salvo melhor juízo. O estilo universitário, apenas por si, tampouco oferece garantias de historicidade, como infelizmente pensam muitos.
A premissa metodológica, em que se baseiam estes ensaios, é a da importância crucial da escravatura na formação histórica do Brasil; nunca será demasiado insistir sobre esta importância.

Nada menos de quatro quintas partes da história brasileira se desenvolveram sob o signo da escravatura como forma de propriedade e produção. Em nenhum outro país do Novo Mundo teve a instituição vida tão longa. Implantada logo no início da colonização, apenas foi suprimida formalmente nos fins do século XIX. Nos tempos modernos, o Brasil se singularizou como o último país do mundo a aboli-la. Em quase todo o Novo Mundo, a independência nacional mais ou menos se fez acompanhar da abolição. As exceções foram o Brasil e os Estados Unidos, porém houve uma diferença importante.

Nos Estados Unidos a escravidão apenas perdurou em algumas regiões e, no momento da Independência, os escravos não chegavam a perfazer 10% da população. No Brasil, enquanto isso, depois da Independência a escravidão continuou abrangendo a totalidade do território e cerca de metade da sua população ainda se compôs de escravos. Portanto, dado que os escravos estavam excluídos da nacionalidade, o Brasil independente se caracterizou como uma nação inconclusa.

Download do livro:
http://www.4shared.com/file/165307924/76004570/escravos_senhores_de_escravos_.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua crítica, pedido ou sugestão. Obrigado.