Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

segunda-feira, 16 de maio de 2011

História da Sexualidade - Michel Foucault



História da Sexualidade - Michel Foucault

A sexualidade de um modo geral não era muito aceita pela sociedade como meio de se buscar prazer ela era só aceita como meio de procriação e perpetuação da espécie. A igreja católica percebendo isso principalmente na época da idade média condena o sexo por prazer e diz que isso é um pecado o qual deve ser purificado em todo ritual de confissão o qual Jesus perdoaria todos seus pecados. A confissão realizada na igreja é uma forma de poder, pois nestas confissões você conta tudo ao padre ou pastor da igreja sobre: seus desejos, seus pecados, sobre seu “sexo”, sobre sua vida íntima, sobre seus pensamentos e os padres ou pastores vão orientá-lo e controlá-lo a fazer ou não fazer determinadas coisas, dizendo e afirmando que o sexo só é permitido para a reprodução e não para o prazer por isso é que você tem que se controlar. De certa maneira a confissão passa a ser um poder que no final exercerá sobre você, pois é na confissão que você fala sobre você, seus relacionamentos, suas vontades, sua sexualidade, esta confissão não está só ligada à confissão feita ao padre para buscar a purificação e o perdão de sua alma, mas também uma confissão feita a médicos.

Download do livro: Clique aqui!

A Idéia da Fenomenologia - Edmund Husserl


]
A Idéia da Fenomenologia - Edmund Husserl

Contrariamente a todas as tendências no mundo intelectual de sua época, Husserl quis que a filosofia tivesse as bases e condições de uma ciência rigorosa. Porém, como dar rigor ao raciocínio filosófico em relação a coisas tão cambiantes e variáveis como as coisas do mundo real? O êxito do método científico está em que ele pode estabelecer uma "verdade provisória" útil, que será verdade até que um fato novo mostre uma outra realidade. Para evitar que a verdade filosófica também fosse provisória, a solução, para Husserl, é que ela deveria referir-se às coisas como se apresentam na experiência de consciência, estudadas em suas essências, em seus verdadeiros significados, de um modo livre de teorias e pressuposições, despidas de seus acidentes próprios do mundo real, do mundo empírico objeto da ciência. Busca restaurar a "lógica pura" e dar rigor à filosofia, argumentando a respeito do principio da contradição na Lógica.

Download do livro: Clique aqui!