Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

quarta-feira, 25 de maio de 2011

A Fabricação da Ciência - Alan Chalmers



A Fabricação da Ciência - Alan Chalmers

O conhecimento científico é realmente diferente e superior à feitiçaria e a outras práticas encantatórias? A resposta a essa questão tem sido procurada nos principais epistemólogos e filósofos da ciência, por Alan Chalmers, cujos trabalhos têm sido censurados por importarem numa crítica radical à razão científica.
Em A fabricação da ciência, ele procura refutar essas críticas por meio de uma reflexão profunda e sistemática sobre os principais aspectos da ciência. Diante da celeuma que os seus escritos provocaram entre os especialistas, o autor procura esclarecer sua posição.

Download do livro: Clique aqui!

A Aurora da Filosofia Grega - John Burnet



A Aurora da Filosofia Grega - John Burnet

Na mais remota Antigüidade, a ciência empírica e pragmática de diversos povos obteve conquistas esparsas e assistemáticas, mas foi o gênio grego que iniciou, em torno do século VI a.C., a busca de uma compreensão unitária e racional do universo. Nessa época, na Grécia, especulações filosóficas começaram a substituir as antigas construções mitológicas. A origem desse salto permanece bastante enigmática, mas sua importância é inegável: foi o início de uma aventura intelectual decisiva na história humana, que perdura até hoje. Desses pensadores originários, comumente denominados pré-socráticos – Heráclito de Éfeso, Parmênides de Eléia, Empédocles de Agrigento, Anaxágoras de Clazômenas, Pitágoras de Samos, Leucipo de Mileto, entre outros –, só fragmentos, ou referências posteriores, chegaram até nós.
Hegel lhes dedicou uma parte importante das suas Lições sobre a História da Filosofia, e sua interpretação teve grande influência. Depois, em 1878, Hermann Diels organizou cuidadosamente os materiais remanescentes, o que possibilitou análises mais sistemáticas. Nietzsche e Heidegger ocuparam-se deles extensamente.
Em 1892, John Burnet, classicista escocês reconhecido por sua erudição, professor de grego na universidade de St. Andrews, tradutor de Platão, publicou A Aurora da Filosofia Grega, em que organizou, traduziu e comentou os fragmentos, apresentando suas próprias interpretações, algumas das quais inovadoras. Propôs, por exemplo, que a idéia de que a realidade está na forma e não na matéria – ou seja, a idéia platônica por excelência – remonta a Pitágoras, embora só tenha sido formulada de modo perfeitamente claro na época da Academia. Assim, a filosofia de Sócrates estaria mais próxima à dos seus antecessores do que normalmente se pensa, e a própria denominação “pré-socráticos” poderia ser questionada.
É certo que esses pensadores originários, que tentaram compreender o mundo de uma forma nova, não se lançaram em um caminho completamente inexplorado. Pontos de vista razoavelmente coerentes deviam existir, pois o mundo humano já era muito antigo quando a ciência e a filosofia começaram. Em particular, o mar Egeu tinha sido o centro de uma civilização desenvolvida desde a era neolítica de uma civilização tão antiga quanto a do Egito ou a da Babilônia e superior a ambas na maioria das coisas que contam.
Mesmo assim, diz Burnet, “algo novo é aquilo a que chamamos ciência e surgiu no mundo com os primeiros mestres jônicos. Eles foram os primeiros a apontar o caminho que a Europa tem seguido desde então. Uma descrição adequada da ciência seria dizer que ela consiste em ‘pensar sobre o mundo à maneira grega’. É por isso que a ciência nunca existiu senão nos povos que sofreram a influência da Grécia.”

Download do livro: Clique aqui!