Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A Espiritualidade na Idade Média Ocidental - Séculos VIII a XIII - André Vauchez


A Espiritualidade na Idade Média Ocidental - Séculos VIII a XIII - André Vauchez

Ao lançar nova luz sobre o impacto das transformações sociais e culturais nas representações do divino e nas formas da vida religiosa, este livro acompanha as principais etapas do processo que fez a cristandade ocidental passar da piedade ritualista e conformista da época carolíngia a uma espiritualidade evangélica, baseada na humanidade de Deus.
Além disso, busca evidenciar a influência que a mensagem cristã teve sobre as massas, de modo a fazer com que a história da espiritualidade desça dos cumes onde por tanto tempo, inatacável, reinou.

Download do livro: Clique aqui!

Uma Teoria da Justiça - John Rawls


Uma Teoria da Justiça - John Rawls

A sociedade é, para Rawls (1921-2002), uma associação de pessoas que reconhecem carácter vinculativo a um determinado conjunto de regras e atuam de acordo com elas. Essas normas existem para cimentar um sistema de cooperação entre todos para benefício de todos. Por isso, numa sociedade existe uma certa identidade de interesses, pois todos têm a ganhar com a cooperação: vivem melhor em sociedade do que viveriam isolados. No entanto, também existe conflito de interesses, pois «os sujeitos não são indiferentes à forma como são distribuídos os benefícios acrescidos que resultam da sua colaboração, já que, para prosseguirem os seus objectivos, todos preferem receber uma parte maior dos mesmos. Para resolver este conflito são necessários princípios ou regras que nos ajudem a escolher qual será a melhor forma de organizar a sociedade, isto é, a melhor forma de repartir esses benefícios. Desta forma, o papel da justiça na sociedade não se resume à reposição das irregularidades e aos castigos aos criminosos. A função da justiça é mais profunda: é a de definir a atribuição de direitos e deveres e a de distribuir os encargos e os benefícios da cooperação social.

Download do livro: Clique aqui!