Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Coleção Conjuntura Urbana – Volume 11 – Como Andam Belém e Goiânia






Coleção Conjuntura Urbana – Volume 11 – Como Andam Belém e Goiânia

A Região Metropolitana de Belém (RMB) foi instituída pelo Governo Federal em 1973, composta pelos municípios de Belém e de Ananindeua (BRASIL, 1973). Essa região foi ampliada em 1995 pelo Governo do Estado do Pará, com a inclusão de Marituba e de Benevides (PARÁ, 1995), envolvendo a área de 1.827,7 km2. Em 1996, com a criação do município de Santa Bárbara do Pará, a partir de desmembramento de Benevides, a RMB assume sua atual composição em cinco municípios. A seqüência de redefinições de limites municipais que compõem a RMB é por si um indício do processo político e econômico que envolve a formação de novas municipalidades no Brasil e na Região Norte. Com a instalação de novas municipalidades o Estado passa a estar mais presente na região, mesmo que signifique a oportunidade para lideranças políticas destituídas de responsabilidade emergirem ao cenário político local.
A rigor, o espaço metropolitano de Goiânia, como objeto de estudos e de pesquisas, deveria ser pensado para além do que é conceituado institucionalmente. Entendemos que é importante refletir sobre esse espaço enquanto um território que se integra do ponto de vista econômico, social, político e cultural. Mais ainda, se do ponto de vista da política doméstica de cada município e das relações que estabelecem entre si, até agora, entendeu-se que Anápolis não deve fazer parte do espaço metropolitano instituído legalmente. Entretanto, do ponto de vista acadêmico é desejável que esse município, pelo menos para estudos e pesquisas em âmbito local e regional, seja inserido, pois a intensidade dos fluxos entre ele e a cidade pólo é crescente.

Download do Estudo 11: http://www.observatoriodasmetropoles.ufrj.br/Vol11_como_andam_belem_goiania.pdf

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua crítica, pedido ou sugestão. Obrigado.