Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

quinta-feira, 9 de junho de 2011

A Era Das Revoluções - Eric Hobsbawm



A Era Das Revoluções - Eric Hobsbawm

Durante a década de 1780 o poder produtivo da humanidade se expandiu de forma nunca antes vista em sua história. Houve uma revolução comparável à invenção da agricultura e das cidades, a “partida para o crescimento auto sustentável” (como é chamada por economistas atuais) que acabou por possibilitar a Revolução Industrial. Os britânicos foram os pioneiros dessa revolução, e isso não se deveu ao acaso; sua estrutura social pré-industrial serviu de base para a “partida”. O desenvolvimento econômico da Grã-Bretanha era a meta mais importante de sua política governamental e sua agricultura já se voltava para o mercado (o que possibilitaria o “sustento” de uma sociedade urbana e industrial). A tecnologia não pode ser vista como um fator preponderante para se entender o pioneirismo britânico, pois as máquinas e até mesmo as indústrias já eram uma realidade, mas sua produção servia para saciar a demanda interna, o mercado já existente. Somente quando os empresários perceberam a possibilidade de um lucro nas fábricas comparável ao anterior (meramente comercial), pode-se pensar em uma revolução industrial. As indústrias de produtos de consumo de massa (como as têxteis) já tinham um vasto mercado e ofereciam um ganho rápido e certo; além disso, sua tecnologia era relativamente simples e barata. Por isso, foram as primeiras a chamar a atenção dos empresários britânicos. Proporcionalmente à busca pelo lucro, nascia a necessidade de se expandir o mercado ainda mais, e a organização dos países do mundo se mostrava bastante favorável a essa expansão. Os países mais pobres seriam um ótimo mercado para enriquecer as nações produtoras, que “copiaram” o bem sucedido modelo inglês e ajudaram a implantar o capital pelo mundo.

Download do livro: Clique aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua crítica, pedido ou sugestão. Obrigado.