Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Orson Welles - Andre Bazin



Orson Welles - Andre Bazin

No texto, Bazin mostra toda a originalidade de seu pensamento como crítico e também faz uma brilhante defesa do cineasta, então acusado de escarnecer de Hollywood, esbanjar orçamentos milionários sem resultados e realizar filmes incompreensíveis. Tornou-se célebre, com a publicação do ensaio, a interpretação de Bazin sobre o sentido da profundidade de campo em Cidadão Kane.
Mais tarde, em 1958, ano de sua morte, Bazin preparou uma segunda edição ampliada de Orson Welles, incluindo novos filmes e comentários sobre a trajetória artística do diretor, um dos maiores gênios da cinematografia mundial. No livro, todos os estudiosos e fãs do cinema encontrarão parâmetros fundamentais para julgar e apreciar os filmes do passado e do presente.
Nas décadas de 1940-50, a crítica de cinema limitava-se a comentar enredos e personagens, atribuindo aos filmes qualidades como "excitante", "de pavor" e "divertido". Bazin rompeu com estes juízos de valor rasteiros e inaugurou um novo modo de fazer crítica, que ia muito além da enumeração de adjetivos: analisava o filme profundamente e o interpretava a partir do cruzamento com as artes plásticas, a música, a história e a filosofia.
Escrevendo em revistas especializadas ou em periódicos de grande circulação, Bazin revelava aspectos até então ignorados pelo público e pela própria indústria cinematográfica: o papel do cenário nos filmes de Marcel Carné; o movimento da câmera, nos de Jean Renoir; o significado dos pontapés distribuídos por Carlitos, nos de Charlie Chaplin.


Download do livro: Clique aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua crítica, pedido ou sugestão. Obrigado.