Notícia Importante

Amigas e Amigos,

Alguns blogs vem sendo apagados repentinamente pelo Google. Esperamos que isso não aconteça com este blog, pois nossa tarefa aqui é a de oferecer informação e reflexão. Desta forma, como precaução e na perspectiva de continuar a disseminar as vertentes instrumentalizadas em forma de livros, revistas e artigos que existem e promovem o desenvolvimento, recomendamos que insira em seus favoritos nosso endereço paralelo:


Desenvolvimento em questão


Faça os Pedidos e Avisos de Links Quebrados em Comentários no WordPress


Atenciosamente,

Marcos Paulo

quarta-feira, 17 de março de 2010

Envolvimento e Alienação - Norbert Elias



Envolvimento e Alienação - Norbert Elias

Por que as sociedades humanas resistem mais do que a natureza não-humana a uma mais bem-sucedida exploração dos perigos e catástrofes por elas gerados? E por que quase todos parecem aceitar que isso deva ser assim? Essas são as indagações iniciais de Envolvimento e Alienação, obra cujos objetivos são versar sobre a natureza do conhecimento das sociedades humanas por intermédio da dinâmica dos dois conceitos que a intitulam, e a demonstração da necessidade de elaboração de uma teoria das ciências que realmente comporte uma integridade em meio à diversidade de disciplinas especializadas. A necessidade de um modelo não concentrado num único e estático ramo do conhecimento. Publicada pela primeira vez na década de oitenta na Alemanha chegou ao Brasil quinze anos mais tarde traduzidas pelas mãos de Álvaro Sá. A escolha pela utilização do conceito “alienação” em detrimento de “distanciamento” gera certamente alguma polêmica. Sá, contudo, explica que sua intenção é a de inserir Elias no intertexto filosófico e, de modo mais preciso, epistemológico. A crítica às barreiras mentais das distintas linguagens dos conhecimentos reconhece aqui uma defesa do caráter necessário das sínteses. Elias não trata dessas questões sob a forma de uma ausência de consciência da falta de consciência, mas tenciona examinar algumas razões no quadro evolutivo do próprio processo de edificação das ciências, com seus preceitos, modelos, procedimentos ou mesmo presságios que, como os demais elementos sociais, estão permanentemente tencionados de forma dinâmica. Nesse sentido, as comparações entre o conhecimento produzido acerca da natureza não-humana, seu avanço no processo de congruência teórica e prática com a realidade, seu percurso histórico no sentido de se estabelecer e o conhecimento produzido pelos próprios sujeitos cujo conhecimento têm a si mesmos como objetos, denotam a defesa incondicional da necessidade de alienação, ou melhor, um grau de envolvimento que permita encarar os processos dilemáticos sobre a natureza das sociedades.

Download do livro: Clique aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua crítica, pedido ou sugestão. Obrigado.